Daniela conta que os musicais a inspiraram a entrar no mundo do espetáculo

Jonathan Garavito Agencia Reforma 24/11/20088c07d43c516c234e906d15a6ea17eeb8

Quando era criança, seu comportamento era exemplar e por isso, sua avó a levava para o cinema para ver o filme “A noviça rebelde” e enquanto o filme estava em cartaz ela ia vê-lo, principalmente porque era protagonizado por Julie Andrews. Foi assim que Daniela Romo descobriu a magia do mundo do espetáculo, em que se sentiu imediatamente apaixonada e do qual começou a fazer parte alguns anos depois.

Desde novinha descobriu sua paixão pelos cenários e pelos espetáculos, por isso trouxe esse mundo encantador para o seu novo disco, Sueños de Cabaret, que já está a venda: “Parte da minha formação são os musicais que possuem toda essa magia e glamour, inclusive os filmes de cabaret do México, que também possuem essa magia. Tudo isso tem uma vigência porque são parte de um sonho e possuem um encanto muito especial.”

“Lembro que a minha avó me levou para ver a Noviça Rebelde mais de vinte vezes e sempre que eu me comportava ela me levava para vê-lo. Anos depois, quando fui ao teatro para ver Victor Victoria com Julie Andrews, eu chorei… foi muito forte vê-la pessoalmente”, explicou Daniela Romo.

Ela também revelou que não gosta de covers, pois em sua carreira só gravou um e aceitou fazê-lo novamente por causa de um grande projeto. E, depois da resposta que obteve do público ao mostrar novas versões de músicas como “Tú de Qué Vas”, “Víveme” e “Qué Manera de Quererte”, a cantora e também atriz, pode comprovar que a música não tem idade: “A ideia não foi minha e sim de Héctor Martinez, diretor de arte e repertório da EMI. Ele, junto ao produtor Memo Gil haviam realizado o disco de “Pasiones de Cabaret” de Edith Márquez. Então, eles me convidara… em  princípio eu estava receosa… é um ponto de coincidências do passado com o presente.”

“Um dia, enquanto eu ensaiava essas canções, uma garota estava próximo a mim e jogava videogame. Quando comecei a cantar Intocable, de Aleks Syntek, ela sabia cantar a canção inteira… isso me chamou a atenção, este é um disco em que várias gerações se encontram”.  Com quase quarenta anos de trajetória, sem pudor de dizer sua idade, Daniela decidiu se despedir de mais uma década de sua vida.

5e5779f25dc47fb02f90e761ac15ba1aAs canções são parte da minha vida e estou terminando a década dos 40, nos próximos anos irei cumprir 50 e pensei que seria legal me despedir com canções que todo mundo canta e conhece. Em vários espetáculos eu introduzi um tipo de ritmo, como o cha cha cha… Mas, esse álbum superou as minhas expectativas, foi um dos trabalhos mais prazerosos que fiz.

Você sabia?

– Seu nome verdadeiro é Teres Presmanes Corona

– Ela iniciou sua carreira na obra musical ‘Contigo Pan y Cebolla’ ao lado dos “Hermanos Zavala”.

– Estudou teatro na Academia Andrés Soler.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s