Os excessos de uma mãe

alboradaAlborada é, na opinião de muitos, incluindo Daniela Romo, a novela onde ela interpretou a melhor de suas personagens: a emblemática Juana Arellano. De Manrique. A história se passa aproximadamente entre 1816 e 1821, e tem como protagonista María Hipólita, uma doce e determinada moça e Luís Manrique y Arellano, o suposto primo do ‘Conde de Guevara’.

Juana é irmã de Carlos, o Conde de Guevara , e é casada com Leopoldo Manrique, pai de seu primogênito e único filho, Diego. Carlos é casado com Aurora, e pai de Luís, de mesma idade que seu primo. Eles faziam parte da aristocracia local, e por isso foram convidados para um passeio de chalana, mas Juana não pode comparecer, já que seu bebê estava doente. Todos foram, incluindo o pequeno Luís, com pouco mais de um ano. Porém, por um incidente, a chalana incendiou-se, matando muitos. Leopoldo, Aurora e Carlos faleceram, mas antes de morrer, Carlos entregou o menino, um pouco machucado, a um senhor para que o livrasse do fogo. Juana, ao saber da notícia ficou desolada, mas logo percebe sua situação, onde está sozinha, com duas crianças e uma delas é a sucessora do título de conde. Logo, tem a ideia de trocar os meninos, para que seu filho Diego seja o próximo conde.

Os anos passam e os meninos crescem saudáveis e muito amigos, Diego sendo o conde, e Luís ainda possui uma cicatriz na perna, fruto do incêndio onde morreram seus pais, mas Juana, sua suposta mãe, desmente dizendo que a cicatriz foi fruto de uma brincadeira perigosa entre os meninos. Juana, embora socialmente mãe de Luís, sempre deu mais atenção e carinho ao seu filho legitimo, e o menino sempre sentiu o desinteresse da mãe. Ambos chegam à fase adulta, e ela se vê obrigada a contar a verdade ao seu filho. Cego pelo medo e pela ganancia, Diego sugere a mãe mandar Luís para uma emboscada e matá-lo, ela concorda.

Sendo assim, Luís chega ao Panamá, a mando de Diego, para a resolução de alguns negócios. Mas por um grande mal entendido, Luís é pego pelos guardas locais, confundido com um prisioneiro afamado na região, e Felipe o ajuda a escapar, mas involuntariamente cai em um terreno privado. Luís acaba preso outra vez, mas por um dos empregados da família Guzmán, uma família em ruínas e muito mal falada, já que há rumores que o único herdeiro, António de Guzmán é gay.

alborada9A princípio, dona Adelaida, mãe do rapaz, pensa em matar Luís, mas notando a semelhança entre ele e seu filho, tem a ideia de fazer com que ele passe uma noite com sua nora, María Hipólita, para que a engravide, assim provando a masculinidade de seu filho, e com um herdeiro, o tio de António lhe daria uma boa quantia em dinheiro.

Hipólita ainda era virgem, já que o casamento nunca foi consumado, pois o marido era impotente. Luís se diz de acordo, mas quando entrasse no quarto, sairia pela janela, porém não se conteve diante da beleza de Hipólita, e assim consumou o ato, deixando apenas sua nacionalidade e um filho em seu ventre. Luís retorna ileso, despertando a ira de Diego e Juana, e Hipólita, revoltada e ressentida, decide buscá-lo, para que assuma seu filho e formem uma família.

alborada-6_409x611

Valor social da personagem

A personagem Juana tem uma intrínseca superproteção materna, que embora não seja tão carinhosa e afetiva, arriscou sua liberdade e paz pelo filho, e isso tem sérias e tristes consequências para ambos. Segundo Daniela, a personagem além de um desafio, foi uma crítica a superproteção de mães, que abdicam de suas necessidades pelos prazeres de seus filhos, e isso é prejudicial a todos, principalmente a eles. Así es y así será, como diria nossa memorável Doña Juana em seu eterno discurso.

ji

ii

j1mi


Anúncios